Colmatar a lacuna de energia em Angola

Os parceiros da Power Africa vão criar uma infraestrutura energética vital

English version

Angola
Crédito fotográfico: Antonio Rodrigues Peyneau / Shutterstock.com

A colaboração entre a Power Africa, o Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), e o Governo da República de Angola está a criar uma infraestrutura de transmissão e distribuição que irá evacuar cerca de 1 000 megawatts (MW) de norte a sul para melhorar o acesso à eletricidades, reforçar a viabilidade financeira do setor energético e ligar Angola aos mercados regionais.

Durante décadas, a rede de eletricidade nacional de Angola sofreu grandes lacunas no fornecimento: não havia qualquer interligação entre as partes norte, centro e sul do país, provocando déficits energéticos regionais e um serviço pouco fiável. Estas “ilhas na rede” também contribuíram para a taxa de eletrificação relativamente baixa de Angola de aproximadamente 43 por cento na maioria das cidades e menos de 10 por cento nas áreas rurais.

Para apoiar o objetivo do Governo de Angola em obter 60 por cento de eletrificação até 2025, a Power Africa e o BAD estão a trabalhar em conjunto para expandir a infraestrutura de eletricidade, facilitar novas ligações de eletricidade para as casas e empresas e, por último, para contribuir para o desenvolvimento contínuo de Angola.

A Power Africa e o BAD estão a trabalhar em conjunto para aumentar o acesso à energia em Angola. Crédito fotográfico: Andre Silva Pinto / Shutterstock.com

Empréstimo no valor de quinhentos milhões de dólares do BAD a Angola

Em março de 2020, o BAD anunciou um empréstimo ao Governo de Angola para melhorar e expandir a capacidade de transmissão de Angola e ligar 1,2 milhões de novos clientes à rede.

Uma parte do Programa de expansão e eficiência do setor energético (ESEEP ou Energy Sector Efficiency and Expansion Program) do BAD engloba a construção de uma linha de transmissão de 343 quilómetros (km) e 400 kilovolts que irá juntar as “ilhas na rede” norte, centro e sul pela primeira vez. Esta nova infraestrutura de transmissão irá permitir a evacuação de cerca de 1 000 MW de energia hidroelétrica primariamente de baixo custo da bacia do rio Cuanza a norte para a região da capital e centros populacionais no sul, dando a oportunidade de substituir unidades de geração energética alimentadas a diesel mais dispendiosas e menos eficientes por opções mais limpas. A integração dos sistemas energéticos no país irá resolver igualmente déficits energéticos e melhorar a fiabilidade da rede.

O mapa mostra a linha de transmissão pretendida de 343 km entre Huambo e Lubango (a verde). As linhas vermelhas são linhas de 400 kV existentes a norte.
O mapa mostra a linha de transmissão pretendida de 343 km entre Huambo e Lubango (a verde). As linhas vermelhas são linhas de 400 kV existentes a norte. Fonte: Relatório de avaliação do projeto ESEEP I do BAD

A Power Africa está a fornecer serviços de consultoria técnica e criação de recursos à empresa de transmissão de eletricidade nacional de Angola, Rede Nacional de Transporte de Electricidade (RNT), que tem o mandato de concluir o projeto da linha de transmissão centro-sul financiado pelo BAD.

Fortalecer a gestão de projetos local

A RNT opera como muitos serviços públicos na região; dedicam-se de forma dispersa e frequentemente a várias atividades, com recursos limitados, o que pode provocar atrasos na implementação dos projetos.

A Power Africa começou a trabalhar com a RNT em outubro de 2019 para estabelecer e operacionalizar uma unidade de implementação de projetos (PIU ou Project Implementation Unit) para gerir os aspetos de aquisição e planeamento do projeto de transmissão. A PIU será o centro de excelência ao longo de todo o ciclo de vida do projeto (e futuros projetos de transmissão) e um repositório único de todas as informações e documentos do projeto. Ter uma PIU capaz e funcional melhora a administração do projeto, a comunicação e a uniformização dos processos, bem como as capacidades de gestão de projetos da RNT.

Ao longo do processo de estabelecimento da PIU, a Power Africa trabalhou para fortalecer as capacidades locais através de uma formação de “transferência de conhecimentos” e fornecimento de experiência no trabalho para os colaboradores da RNT referentes à gestão do programa geral, gestão ambiental e social, mitigação de riscos, e requisitos e processos de aquisição e engenharia. Compreender as diferentes áreas funcionais da PIU e desenvolver as competências, comportamentos e atributos necessários para gerir eficientemente as tarefas e a produtividade é fundamental para a RNT de modo a progredir nas atividades relativas ao projeto e alcançar as principais metas dentro dos prazos de financiamento solicitados pelo BAD.

As principais áreas de apoio para a RNT incluíram:

  • Determinação das funções essenciais necessárias numa PIU e desenvolvimento de um organograma
  • Avaliação das competências dos colaboradores e fornecer o reforço dos recursos para resolver as lacunas
  • Designação de membros da equipa da PIU para as respetivas funções
  • Revisão dos processos internos e relações das partes interessadas
  • Preparação do orçamento da PIU
  • Configuração de plataformas digitais para a partilha de dados (e armazenamento) e colaboração de documentos (e aprovação)
  • Elaboração dos documentos de aquisição e avisos, e avaliação de propostas (manifestações de interesse, termos de referência, relatórios de avaliação técnica)
  • Facilitar a aquisição de consultores técnicos e profissionais necessários para o projeto
  • Desenvolvimento e implementação de um sistema de gestão ambiental e social
  • Identificação dos riscos e estabelecimento de planos de mitigação
  • Desenvolvimento de uma carta do projeto, estrutura de governação, plano de trabalho e manual

Avançar em altura de pandemia global

Em março de 2020, as restrições às viagens provocadas pela COVID-19 resultaram no cancelamento de sessões de formação e workshops presenciais fundamentais. Apesar destes desafios, a equipa de consultoria técnica da Power Africa e a RNT continuaram a desenvolver as atividades ao realizar workshops virtuais em áreas focais, tais como a engenharia, aquisição e gestão ambiental.

Em setembro de 2020, o BAD aprovou o plano de trabalho da RNT e o primeiro pagamento de fundos. A RNT está atualmente na fase de pré-qualificação para a construção da linha de transmissão centro-sul e das subestações associadas e na fase final de aquisição de serviços de consultoria para o desenvolvimento e implementação de um plano de ação de reinstalação. A RNT está também na fase de avaliação das propostas técnicas para o Engenheiro contratado pelo proprietário (Owners Engineer) — uma firma de consultoria independente que desempenha uma função de apoio na gestão técnica do projeto — e em breve irá recrutar um consultor de monitorização e supervisão. O início da construção está planeado para o início de 2022.

“Conseguimos alcançar muitas das metas de aquisição e do projeto, apesar dos vários desafios que 2020 trouxe (que incluíram novas formas de trabalhar) e enquanto PIU da RNT, gostaríamos de agradecer à Power Africa pela função que desempenhou em novembro de 2019 quando estávamos a estabelecer a PIU, e no início de 2020 quando começámos a operacionalizá-la. É com grande entusiasmo que esperamos pela colaboração contínua neste projeto importante que irá beneficiar os cidadãos angolanos no futuro.”

“Estou muito feliz por fazer parte desta jornada emocionante. Aprendi bastante e espero ansiosamente pelo futuro. Graças ao esforço colaborativo e apoio do BAD e da Power Africa, a RNT está no bom caminho para implementar o projeto de transmissão centro-sul”, Engenheira Francisca Pereira, Coordenadora de projetos da PIU da RNT.

Facilitar o comércio da energia regional

Uma rede de transmissão energética fiável, sem restrições e robusta desempenha um papel fundamental para colmatar a lacuna na procura e no fornecimento de eletricidade na África Subsariana. A transmissão é fundamental para desbloquear a geração e distribuição e levar a energia àqueles que precisam mais. Por conseguinte, a Power Africa está a focar o investimento em projetos de infraestruturas de transmissão e formação associada para fortalecer as capacidades dos serviços públicos de modo a implementarem estes projetos.

Mapeamento do plano de ação de aquisição com a RNT durante um workshop de formação em Luanda em novembro de 2019.
Mapeamento do plano de ação de aquisição com a RNT durante um workshop de formação em Luanda em novembro de 2019.
Mapeamento do plano de ação de aquisição com a RNT durante um workshop de formação em Luanda em novembro de 2019. Crédito fotográfico: Power Africa

O enfoque da Power Africa na transferência de competências e conhecimentos para ajudar a RNT a gerir este projeto e futuros projetos de transmissão é fundamental para o desenvolvimento económico, autossuficiência energética e desenvolvimento de recursos humanos e institucionais sustentáveis. Os esforços coletivos do BAD, da Power Africa e do Governo de Angola irá, em última instância, melhorar o acesso à eletricidade para as pessoas, indústrias e empresas em Angola.

A nova infraestrutura de transmissão de eletricidade irá preparar o caminho para o projeto de interligação Angola–Namíbia (ANNA), que irá facilitar o comércio de energia entre os dois países e permitir que Angola se junte ao Grupo de Energia da África Austral (SAPP ou Southern African Power Pool) pela primeira vez, abrindo os mercados para o comércio transfronteiriço e para o equilíbrio do fornecimento/procura regional.

Para obter mais informações sobre o papel da transmissão para aumentar o acesso à eletricidade, consulte o Mapa de transmissão da Power Africa.

A U.S. Government-led partnership that seeks to add 30,000 MW and 60 million electricity connections in sub-Saharan Africa by 2030 > https://bit.ly/2yPx3lJ

A U.S. Government-led partnership that seeks to add 30,000 MW and 60 million electricity connections in sub-Saharan Africa by 2030 > https://bit.ly/2yPx3lJ